Etiqueta: ceps


Perspectivas éticas y religiosas del futuro que queremos

Con el propósito de reflexionar sobre los principios que deben guiar el documento final“ El futuro que queremos”  líderes religiosos  pertenecientes al Concejo Mundial de Iglesias, la Federación Mundial Luterana, Religiones por la paz  y  Caritas Intenacionalis, dialogaron en la Conferencia de Rio +20 , en torno a las dimensiones éticas y espirituales para un desarrollo que procure un futuro sostenible para todos, desde un encuentro interreligioso y ecuménico que reconoce la importancia de la creación de Dios.

Caritas Internacionalis – CI-participó en este diálogo interreligioso enfatizando en la importancia  de un desarrollo humano, integral, solidario y ecológico como un planteamiento que reconoce como centro a la dignidad de la persona “ La persona no vista como individuo, sino como persona en relación con otros que solamente se puede realizar en un sistema de relaciones justas con las otras personas y con la casa común”, manifestó Rosa Inés Floriano, coordinadora del área de Investigación, Formación e Incidencia  de Caritas Colombiana, organización miembro de la Confederación de Caritas Internacionalis.

“No se puede a nombre del desarrollo,  promover políticas públicas que deterioren la vida digna de los pueblos” afirmó la representante de Caritas, y agregó:  “Necesitamos transformar las relaciones que por un lado favorecen la generación de políticas públicas para que existan mecanismos de producción que concentran la riqueza y los medios de explotación de los recursos, y por otro lado asisten a los pobres como si ellos no tuvieran derecho hacer parte de su propio desarrollo”

En este evento también participaron el Reverendo. Dr. Néstor Paulo Friedrich, presidente de la Iglesia Evangélica Luterana en Brasil, Obispo Dr. Heinrich Bedford-Strohm de la Iglesia Evangélica Luterana en Baviera, la coordinadora de la Red de Jóvenes de la organización Religiones por la Paz en América Latina y el Caribe  y representantes del Concejo Mundial de Iglesias,  quienes resaltaron que el desarrollo por el que trabajan es esencialmente una causa ecuménica.

{fcomment}

Leer más

Santa Sé discute agricultura sustentável, segurança alimentar e solidariedade

O debate ocorreu durante as atividades não oficias da Rio+20 e contou com a participação da Cáritas Brasileira

Com o objetivo de promover soluções concretas, práticas e éticas para o desenvolvimento humano integral, como previsto pelo Papa Bento XVI na Encíclica Caritas in Veritate, por meio de discussões temáticas sobre segurança alimentar e agricultura sustentável, a Santa Sé, a Caritas Internationalis, os Franciscanos Internacionais e a Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e a Solidariedade (CIDSE), realizaram uma atividade na Rio+20, na tarde de terça-feira, dia 19, cujo tema foi “Agricultura e Sociedade Sustentável: segurança alimentar, terra e solidariedade.”

Participaram da mesa o cardeal Odilo Scherer Pedor, arcebispo de São Paulo enviado especial pelo Santo Papa Bento XVI à Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável Rio+20, Paul Yembuado Ouédraogo, da Cáritas Internationalis e arcebispo de Bobo-Dioulasso em Burkina Faso, Gisele Henriques, diretora de advocacia para alimentação, agricultura e sustentabilidade da CIDSE, padre Luis Scozzina, do Centro Franciscano de Estudos e Desenvolvimento Regional, e Maria Cristina dos Anjos, diretora executiva nacional da Cáritas Brasileira. O mediador do debate foi o representante do Vaticano na Organização das Nações Unidas (ONU), o monsenhor indiano Francis Chulikatt.

A proposta do evento também foi socializar experiências realizadas por organizações como a Cáritas que, inspiradas pela fé, promovem um amplo trabalho junto às populações e comunidades mais afetadas pela miséria e falta de acesso a alimentos. “É fundamental cultivar a consciência do público para as responsabilidades globais, morais e sociais que temos uns com os outros, através do envolvimento das comunidades locais e internacional, para o direito universal de todos os seres humanos, sem distinção ou discriminação, ao acesso a água e ao alimento”, enfatizou dom Odilo.

O arcebispo Paul Yembuado Ouédraogo, apresentou uma experiência em Sahel, um país africano que sofre com as mudanças climáticas e com os fortes impactos que resultaram em uma crise alimentar e desnutrição. O projeto é desenvolvido essencialmente para a recuperação e segurança alimentar e nutricional da população.

Maria Cristina dos Anjos levou para a plenária a experiência de Segurança Alimentar e Nutricional em acampamentos e pré-assentamentos da Reforma Agrária no Semiárido brasileiro. Após discorrer um breve histórico sobre o início das ações da Cáritas no Brasil, a diretora executiva da entidade destacou os resultados alcançados com o projeto desenvolvido nos estados de Minas Gerais, Bahia, Sergipe e Pernambuco. “Desenvolvíamos trabalhos voltados essencialmente para a distribuição de alimentos, mas hoje os programas promovem a organização, a produção e a luta por direitos das comunidades, além da reflexão para um desenvolvimento solidário sustentável e territorial.” O programa de Segurança Alimentar e Nutricional na região do Semiárido atende mais de 18 mil pessoas de 380 comunidades.

Maria Cristina ainda destacou que os princípios trabalhados por toda Rede Cáritas são o aumento da qualidade de vida, da preservação ambiental, a autonomia e o fortalecimento das comunidades. “Nós acreditamos que todas e todos têm o direito a alimentação, mas não somente no sentido do alimento em si. Nosso sonho é que um estarmos todas e todos juntos na mesma mesa com irmãs e irmãos com dignidade, fazendo parte de um mesmo banquete.”

por Thays Puzzi, assessora de Comunicação da Cáritas Brasileira / Secretariado Nacional

{fcomment}

Leer más

Alcanzando el desarrollo sostenible a través de la Economía Solidaria

La participación de Caritas en la Conferencia de Naciones Unidas para el Desarrollo Sostenible RIO+20, comenzó con un panel sobre economía solidaria,  en el que expertos y colaboradores de Caritas Brasil, Francia, Perú y Costa Rica, reflexionaron e intercambiaron experiencias entorno a la economía solidaria como una alternativa para contribuir al desarrollo humano sostenible de las naciones y su relación con la ecología.

En el panel también se compartieron buenas prácticas sobre este concepto de economía, entendida como la suma de actividades de producción, distribución y consumo que democratizan la economía y que cuenta con experiencias muy positivas impulsadas por Caritas en el todo el mundo.

Humberto Ortiz, Secretario Ejecutivo de la Comisión Episcopal de Acción Social (CEAS) de la Conferencia Episcopal del Perú, presentó un panorama de la economía solidaria en el contexto de la Amazonía y la dinámica económica de las industrias extractivas (descargar ponencia), y lanzó importantes recomendaciones para introducir con mayor fuerza el concepto de economía solidaria en la región latinoamericana:

a) Reconocer a la economía solidaria como productora de bienes y servicios de utilidad social. b) Potenciar la economía solidaria y toda su fuerza para la creación de una real economía ecológica)Promover el dialogo intersectorial con los otros actores tanto económicos como sociales, no solo desde una alianza público privada  sino también social, donde la solidaridad sea un elemento transversal y d)Promover políticas públicas para el desarrollo de esta economía solidaria a nivel local, nacional  y supranacional.

Por su parte, Ademar Bertucci, asesor nacional de Caritas Brasileña y miembro de la coordinación Nacional del Foro de Economía solidaria, quien también participó en el panel, agregó que “para reforzar el reconocimiento de la economía solidaria,  se debe trabajar por una ruta de derechos y por una legislación propia de la economía solidaria en todos los países, que afirme que existe una economía que tiene fuerza y que responde por la mayoría de los trabajadores de nuestros países”.

Bertucci también enfatizó en la importancia de una articulación de los movimientos y de las prácticas de la economía solidaria que garantice las especificidades de cada región, por que la diversidad es un aspecto fundamental para la comprensión que debe incluirse en la generación de desarrollo sustentable y solidario. (descargar ponencia)

En el marco de este evento, Jacqueline  Hocquet , responsable de incidencia para Latinoamérica de Caritas Francia, compartió la experiencia en el tema desde la perspectiva de Europa y sus contribuciones para la creación de empleo y retos que esta propuesta de economía tiene en el continente.

Las experiencia en América Latina y el Caribe en la promoción de prácticas en economía solidaria ha tenido resultados positivos, así lo demostró Wendy Campos, colaboradora de Caritas Costa Rica, quien presentó  el caso de Coopetarrazú, agrupación de campesinos en San José de Costa Rica que inició hace 50 años con la creación de una cooperativa para la producción del café apoyada por la Caritas de este país, y que hoy cuenta con 3000 empleados, constituyéndose en un ejemplo de economía solidaria en Centroamérica.

Cómo lograr la economía solidaria?

Escuche las propuestas de los expertos de Caritas y vea sus presentaciones para avanzar en la introducción de una economía solidaria en Latinoamérica:


Entrevista Ademar Bertucci (Brasil)

Rio + 20 economia solidária al servicio de la vida

*5.6 MB

Entrevista Humberto Ortiz (Perú)

Ponencia humberto ortiz en rio +20

*11.2 MB

Entrevista Jacqueline Hocquet (Francia)


Entrevista Wendy Campos (Costa Rica)

Presentacion economia wendy

*33.6 MB
{fcomment}

Leer más

Economia Solidária é tema de debate na Cúpula dos Povos

 

“A Economias Solidária é o grande caminho contra a Economia Verde, que está transformando a natureza em mercadoria”, foi a afirmação que o professor Boaventura de Souza Santos, utilizou no final de sua participação na mesa de debate, da atividade sobre Desenvolvimento Solidário e Sustentável nos Territórios: Estratégias de outra economia, realizado na manhã de hoje (19), na Cúpula dos Povos.

Para Boaventura, antigamente não era necessário debater sobre Economia Solidária, por que as relações de produção eram de tal forma que garantia o respeito com o outro e com a natureza. Agora, precisamos avançar nessa discussão para combater a Economia Anti-solidária, construída pelo capitalismo. “Temos que ter em mente que a Economia Solidária não é um apêndice do capitalismo, não prestamos um serviço para ele. Ela é uma possibilidade de um futuro justo e digno”, afirmou.

Ele ainda destacou a dificuldade que o movimento de Economia Solidária possuí em se relacionar com outros movimentos e organizações. “Isso é um erro. A articulação é fundamental, assumir campanhas de maior abrangência e enfrentamento político, como por exemplo, a contra os agrotóxicos, é muito importante”, concluiu.

Também fizeram parte da mesa de debate o integrante do Celacc, Beto Ortiz, integrante do Riplacc, Luiz Eduardo Salsero e o professor Paul Singer. Ortiz apresentou o trabalho da Cáritas sobre Desenvolvimento sustentável e Territorial. “O objetivo do nosso trabalho é promover o desenvolvimento humano, integral e solidário, para que todos tenham vida em abundancia”.

Singer, em sua fala, destacou a importância de eventos como a Cúpula dos Povos, para as lutas pela Economia Solidaria. “É ilusão pensar que a Rio +20 vai mudar os modelos capitalistas e exploradores dos governantes por um mundo melhor. Mas atividades como esta,  proporciona o encontro e diálogo dos muitos militantes, vindos de muitas partes do mundo, que são capaz de fazer com que essa mudança aconteça”.

por Bruna Garbin, assessora de Comunicação da Cáritas do Rio Grande do S

{fcomment}

 

Leer más

Cáritas Francesa promove atividade para debater indústrias extrativistas

Foi com o objetivo de promover o intercâmbio das problemáticas causadas pelas indústrias extrativistas, que a Cáritas Francesa (Secours Catholique – Réseau Mondeal Caritas) reuniu na manhã desta segunda-feira, dia 18, representes do Peru, da Colômbia, e de dois países da África Central, Tchad e República do Congo, para socializarem e debaterem as realidades e os impactos de cada região.

A atividade, que ocorreu na Cúpula dos Povos, no Rio de Janeiro (RJ), fez parte da programação das tendas autogestionadas. De acordo com Hilda Carrera, responsável pelo Departamento de Incidência Internacional da Cáritas Francesa, nos últimos anos a entidade vem refletindo junto com parceiros, diversos conflitos ambientais e sociais gerados, principalmente, pelos grandes projetos como mineradoras e petroleiras. “O grande problema do desenvolvimento passa pelas práticas da mineração e extração de petróleo, por exemplo. Nós, enquanto uma grande rede de solidariedade, não podemos deixar que injustiças com as populações mais pobres, que são as mais afetadas, continuem acontecendo.”

A realidade de pobreza e forte contaminação do meio ambiente são características comuns aos dois países da África Central, Tchad e República do Congo, que sofrem com a exploração petroleira. Conforme explicou Gilbert Maoundonodji, coordenador da Associação pela Promoção de Liberdades Fundamentais do Tchad, as petroleiras são responsáveis pela poluição das águas, do ar e da terra.

As comunidades que sobrevivem da pesca, além de se contaminarem pelo consumo de água imprópria para o uso humano, não encontram mais peixes para sua subsistência, pois a maioria das fontes de água está ocupada pelas multinacionais do petróleo. “Inicialmente o que era para serem 300 poços de petróleo, hoje são 1200. Cerca de 100 mil pessoas são afetadas e não contam com o apoio do Estado que apenas está interessado nos lucros com o petróleo e não faz com que os investimentos cheguem até as comunidades.”

Jean Pimé Brice Mackassa, secretário permanente e assistente jurídico da Comissão Diocesana de Justiça e Paz da República do Congo, destacaram que as mesmas multinacionais ocupam diferentes territórios. “Elas estão na África, na Ásia e na América Latina. Por isso é preciso juntar os processos, ter ações conjuntas, pois não podemos permitir que realidades como estas continuem acontecendo.”

Diante do descaso do governo e das violações dos direitos humanos as organizações sociais dos dois países africanos moveram várias denúncias contra as empresas petroleiras nos seus países de origem sendo instaurados vários processos de reparação dos danos causados.

A diretora do Centro Amazônico de Antropologia e Aplicação Prática do Peru, Adda Chuecas Cabrera, falou sobre a realidade dos povos indígenas do país, também fortemente afetados pelas atividades extrativistas. Hidroelétricas, petroleiras, mineração, além da produção monocultora voltada essencialmente para a produção do biodiesel, são os principais responsáveis geradores de conflitos sociais na região. “A presença desses grandes projetos causam inúmeros impactos para os povos indígenas e o principal problema é a água, principal fonte de vida para estes povos, mas que estão amplamente contaminadas.” Estão previstas a construção de 52 hidroelétricas no Peru, boa parte delas financiada pelo Governo Brasileiro.

Segundo Adda, existem 28 milhões de indígenas na América Latina. Destes, 316 povos vive na Amazônia, um território presente em oito países da América do Sul. Somente no Peru, que é mundialmente o quarto país em biodiversidade, existem quatro milhões de indígenas em 52 diferentes etnias. “Até 1997, 11 povos desapareceram física e culturalmente e oito estão ameaçados.”

Segundo Altair Pozzebon, da Cáritas Regional Rio Grande do Sul e participante da atividade, a exploração descontrolada dos recursos naturais pelas empresas multinacionais esta comprometendo a biodiversidade e causando sérios impactos nos modos de vida das populações tradicionais. “Precisamos denunciar esses projetos e debater com o povo um modelo de desenvolvimento sustentável e solidário que gere vida e vida em abundância para todas e todos”.

{fcomment}

Leer más






Entradas Recientes